Como Falar Inglês, Lição 2: Ouça áudio que você já compreende razoavelmente bem – Inglês Online

Como Falar Inglês, Lição 2: Ouça áudio que você já compreende razoavelmente bem


Se o computador explodir...Lembra da lição anterior, onde eu falei sobre ‘ouvir’? Ouvir “qualquer inglês” não é eficaz, e eu vou te dizer porquê.

Se o seu computador explodir e a Internet desaparecer pra sempre, lembre-se apenas dessa dica e você já vai estar muito à frente do resto:

Para adquirir uma língua, você tem que ouvir pedaços dessa língua que você entende.

Se você não está entendendo a mensagem do áudio, não tem aquisição significativa acontecendo (lembra o que é aquisição? Veja a Lição 1). Isso quer dizer que se você quer acelerar ao máximo a sua aquisição do inglês, mas pratica listening com áudio que só entende 30, 40, 50%, você está perdendo tempo.

Aquilo que você não entende passa batido: áudio incompreensível é que nem um ruído de fundo. A primeira coisa que a gente faz quando uma coisa não faz sentido é tune out (a gente “desliga” daquilo), e com razão. É como você ligar pra um russo e pedir pra ele ficar falando por uma hora no telefone. Faça isso todo dia por um mês, e você até vai memorizar alguns sons. Mas vai usá-los como, se não sabe o que significam?

Eu disse isso em uma lição anterior: aquisição é um processo inconsciente e por isso quase sempre acontece sem você se dar conta. Quando você entende a mensagem de uma estória ou diálogo, as palavras ou expressões novas não vão ser tão difíceis assim de pegar. É como a gíria nova que seu amigo começou a usar e que você acabou pegando, porque entendeu o que ele estava dizendo apesar de nunca ter ouvido antes.

 

 Mas a parte que eu não entendo não são as palavras/expressões novas que eu vou aprender?

Se você não entende mesmo uma boa parte do áudio… o que você está aprendendo com essa parte? Talvez ocorra alguma aquisição quando você ouve áudio que não compreende, mas já foi demonstrado em diversos estudos que aquisição de línguas ocorre muito mais rápido quando a pessoa compreende a mensagem. Se não, são apenas sons sem significado e você poderia usar seu tempo de maneira muito mais produtiva (e menos entediante).

Se você entende a mensagem de um áudio que contém palavras novas, você provavelmente vai conseguir atribuir significado a elas. É isso que é áudio compreensível. Na segunda, terceira, quarta vez que ouvir essas palavras, você vai reconhecê-las com mais rapidez. E assim vai, até chegar o momento em que você quer expressar aquela ideia e a palavra/expressão vem à sua mente, você abre a boca e ela sai.

 

 Mas se eu já estou entendendo bem, não significa que o áudio está fácil demais pra mim e que eu não preciso mais ouvir isso?

Depende. Você já consegue expressar confortavelmente o conteúdo desse áudio? Se você é como 99% das pessoas, sua compreensão auditiva é superior à sua fala. Se sua compreensão está no “nível 2”, por exemplo, e a sua fala ainda está no “nível 1”, escutar só áudio no “nível 4” é ir pelo caminho mais difícil.

Se você ainda tropeça pra caramba na hora de falar sobre o que fez ontem, mas entende bem um programa de áudio que usa bastante o passado simples, você tem muito a ganhar fazendo listening com esse programa. Nós não absorvemos uma nova estrutura de um dia para o outro, e compreensão sempre antecede a fala (se você tiver criança pequena na família pode observar isso em primeira mão: antes da criança começar a falar ela já entende um monte de coisa).

Mas é preciso uma certa quantidade de exposição a pedaços da língua até a sua mente “pegar” como aquilo funciona, e então conseguir produzir (falar) esses pedaços naturalmente. Quanto de exposição? Ninguém – nem os pesquisadores – sabe precisar. Você vai saber o momento de fazer um upgrade no seu listening quando ouvir um áudio que antes era difícil e perceber que agora já entende bem.

As coisas acontecem gradativamente. Não fique buscando áudio “difícil” porque você acha que é assim que americano fala. Americano fala de todos os jeitos, tem gente que fala mais devagar e tem gente que fala mais rápido por exemplo. Americano não fala com o filho de 8 anos exatamente do mesmo jeito que fala com outro adulto, porque ele sabe que o garoto de 8 anos ainda não chegou lá.

Dê uma folga pra você mesmo. Não precisa parar de ouvir o que já ouve se não quiser, mas a partir do momento que você começar a usar áudio que já compreende bem as coisas vão andar mais rápido.

 

Mas eu posso usar a transcrição do áudio e o dicionário para me ajudar, se eu não estiver entendendo.

Sim, a transcrição, o dicionário e outros recursos estão aí para ajudar. Quando você está sentado em casa ou no trabalho e tem tempo, é muito útil consultar esses recursos. E nesse e-curso, o que eu quero mostrar é como acelerar ao máximo sua aquisição de inglês, que é o que vai levar você a falar naturalmente.

Eu quero encorajar você a usar pelo menos parte de seu tempo “livre” (de pé no ônibus, lavando prato, fazendo a unha, indo para a faculdade, etc.) para fazer listening. Nessas situações não dá para depender muito de transcrição e dicionário. Como eu já disse, continue ouvindo o que quiser! Mas dê uma chance a um programa que você já compreende bem durante as suas atividades de rotina.

 

Mas eu não consigo achar áudio que eu compreenda bem.

Essa limitação pode acontecer mesmo, principalmente se você está iniciando ou tem compreensão abaixo do intermediário e está contando com a Internet para encontrar áudio. Só para você saber, eu estou ciente disso smile e mais pra frente você vai receber uma lista de programas que eu recomendo para diferentes níveis. Quando a Internet não resolve, há fontes de áudio offline que podem ajudar – aguarde as próximas mensagens.

 

Mas eu gosto do podcast/programa de notícias que eu ouço, mesmo não entendendo bem.

Então continue ouvindo. A gente acaba fazendo o que tem vontade no fim das contas, mas como eu já disse: seu aproveitamento do listening vai ser muito melhor se você incluir áudio compreensível.

 

EXTRA: QUER FAZER UMA EXPERIÊNCIA?

Veja como imagens tem um papel super importante (se não essencial) na nossa compreensão de uma língua. Para formarmos imagens que são nossa referência de significado, precisamos primeiro entender o que estamos ouvindo.

Imagine que você está assistindo o noticiário na televisão e por algum motivo você está de olhos fechados. O apresentador dá a notícia de que “O navio afundou no meio do oceano”. Leia as instruções abaixo, e depois experimente fazer:

1. Feche os olhos.

2. Imagine o apresentador dizendo O navio afundou no meio do oceano. Desacelere um pouco seu pensamento e perceba o que você faz para entender o que ele disse.

À medida que você ouviu a frase, você “viu” as imagens na sua mente: navio, navio afundando, meio do oceano (e se você não estava prestando atenção quando ouviu, você consegue repetir a frase de memória (que nem um papagaio) mas vai ter que pensar um pouco se alguém te pedir para explicar o que aconteceu).

navioNós associamos mensagens verbais com imagens. Isso acontece tão rápido que a gente não percebe. E acontece porque para nós, “NAVIO” não é um grupo de letras que começa com N e termina com O. “NAVIO” tem significado: é uma coisa grandona, com janelinha lá em cima, que flutua na água (cada um tem a sua imagem, essa é a minha!…)

3. Agora, imagine você de olhos fechados de novo, e o apresentador dizendo “O navio afundou no meio do oceano”. Dessa vez, tente só ouvir sem formar imagem nenhuma na mente – só o som. Conseguiu? É meio difícil, mas se você conseguiu fazer isso, o português soou como uma língua desconhecida pra você – sem as imagens correspondentes, só tinha som e você não sabia do que o apresentador estava falando.

Preste atenção no que vem à sua mente quando você ouve “leve”, e quando você ouve “pesado”. Quais são suas referências? Essas são imagens que você associa com estas palavras: são os seus significados para “leve” e “pesado”. É isso também que acontece com você à medida que você adquire inglês.

Vá para a próxima lição desta série

Ou para as anteriores:

Lição 0

Lição 1

 

 

DEPOIMENTOS

Oi Ana.. arrumei um Ipod e tenho baixado seus podcasts… eh impressionante como dois meses aqui ja mudaram muita coisa… eu ja tinha o basico/intermediario, e hoje meus ouvidos estao muito mais acostumados. — Rafaela Casado

Eu sigo um conselho basicamente seu: ouvir, ouvir, até poder assimilar e falar com naturalidade. Eu tenho me concentrado mais em uma lesson até eu saber o bastante para passar para outra. No começo eu tinha ansiedade e já ia passando pra outra, vi que não era o ideal, so (então) resolvi fazer dessa maneira. Também eu estudo a lição (falando em voz alta) para ver com fica minha dicção no inglês e percebo que já não trava num “actually”, num “excuse me”, ou agora num “got it”. — Tiago

Oi Ana – Sei que você deve ter centenas de e-mail pra ver, mas não posso deixar de agradecer a qualidade e o carinho das suas aulas! Estou bastante impressionada! Faço aulas regulares no CNA, mas precisava de algo a mais, somente duas aulas na semana para mim parecem pouco, e mesmo sabendo que existem milhões de formas de estudar online sozinha eu sinceramente não consigo… vejo tantas coisas ao mesmo tempo que acabo não aprendendo efetivamente (rs) então reconhecendo essa limitação minha resolvi me aventurar no seu curso. Estou próxima a aula 20, mas voltei para revisar algumas outras lições, sinto que melhorei muito, principalmente a fala, que para mim é o mais difícil, estou literalmente te IMITANDO!!  Ouvi em um dos Podcasts do EE o Adir dizendo que ele aprendeu muito por imitação, realmente, com o listening das aulas e a fala na frente do computador (meu esposo vive rindo disso rs) estou melhorando muito!!

Muito obrigada Ana — Rosielle Torres

Ana, first of all i’d like to start things off telling you how thankful i am for your English tips. Because of them now i can watch movies, sitcoms, TVshows and others understanding lots of the idioms, expressions, slangs, phrasal verbs and on, that are used by native English Speakers.
I took your hint and i’ve reading magazines till the pages turn yellow, i dowloaded several different podcasts of all possible range of topics and i’m crazy glued to them every single day of my life. Words are coming out from my mouth more naturally and easily since then. — Rodrigo da Silva

Hi Ana Luiza,
É com enorme prazer que venho parabenizá-la pelas lições no inglêsonline sobre como falar inglês. Eu sou professor de inglês e faço atendimento particular para iniciantes e até mesmo crio pequenas aulas diferenciadas para professores iniciantes que desejam ministrar aulas de inglês. Então, em meu próximo treinamento pretendo usar o inglêsonline como forma deles aprimorarem seus conhecimentos e pretendo criar um debate com eles com suas dicas. — Rony Carvalho

  • Guilherme says:

    Parabéns ! Nunca vi uma didática Tão boa! Estou adorando.

  • cleide de fátima ramos says:

    Olá, Ana!

    Você não imagina como estes materiais tem feito diferença na minha vida.
    Estou tomando gosto pelo Inglês. Na verdade, amando.
    Peguei um livro infantil em Inglês e minha vontade era de sair lendo tudo. Rsrs
    Estou seguindo suas dicas nos momentos que tenho disponível.
    Estou com muita esperança de aprender a ler e falar inglês.

    Obrigada.
    Cleide

  • Jackson says:

    Parabéns pelo site conheci hoje e estou adorando. Estou estudando o idioma, compreendo algumas coisas que ouço mas ainda sinto insegurança na fala.
    Interessante é que as vezes eu sonho que estou falando em inglês com algúem e no sonho sai tudo certinho rsrs.

  • >