Arquivo para categoria Lições de Inglês (gramática, vocab)

Lições sobre gramática e vocabulário, não separadas por nível.
Para encontrar um assunto específico, use a Busca no topo à direita. Ex.: "present perfect", substantivos, "phrasal verbs"
Veja também os resumos de gramática básica.

Quando uso because of e due to em inglês?

Olá!

Se você aprende inglês faz um tempinho, já deve estar se acostumando com because of, ou “por causa de”. Essa é uma daquelas expressões super comuns que, não demora muito, começam a aparecer no livro de inglês e nas aulas. Mas due to, que pode ser traduzido como “devido a”, também não fica atrás, apesar de não ser tão “pop” quando because of.

Se você já se confundiu na hora de escolher entre because of e due to, saiba que a regra existe e é bem clara. Só que… esse é um caso de ‘o correto é esse, mas a maioria das pessoas usa de outro jeito.’

Pra deixar claro: as pessoas não parecem ter muita dúvida sobre como usar “because of”. A grande dúvida em torno desse assunto é mesmo se, numa sentença como “I hear her show got cancelled in Dallas due to the weather”, o due to ali está correto, ou se deveria ser substituido por because of.

Antes de continuar, um aviso: você vai compreender melhor essa dica se entender bem o que é substantivo e o que é sujeito da oração… Ok, vamos lá.

Bem ou mal, parece que a maioria dos nativos de inglês não se preocupa muito com a regra de due to… Todos os exemplos com essa expressão que uso aqui foram retirados do Twitter e escritos por nativos. E todos vão contra a regrinha, que é a seguinte: “due to” deve ser usado como adjetivo.

due to e because of em inglês

The cancellation was due to the weather.

O que isso quer dizer, na prática? Que “due to” modifica um substantivo, e geralmente vem logo depois do verbo to be. Veja:

  • The cancellation was due to the weather.
  • The price rise was due to inflation.
  • Their lateness was due to traffic.

Quais são os sujeitos das sentenças?

“the cancellation”, “the price rise” e “their lateness”. Veja que, de fato, “due to” modifica os sujeitos, como um adjetivo, já que estamos dizendo que “o cancelamento FOI devido a…”, “o aumento de preço FOI devido a…” e “o atraso deles FOI devido a…”

Uma rule of thumb (regra geral) para o uso de due to é: ele poderia ser substituído na sentença por “caused by”? Nesses 3 exemplos, a resposta é sim:

  • The cancellation was caused by the weather.
  • The price rise was caused by inflation.
  • Their lateness was caused by traffic.

Ou seja, os três exemplos estão corretíssimos e podem ser usados sem medo de errar.

Agora, aqui vai o que os nativos de inglês falam e escrevem com due to – informalmente – no dia a dia:

  • Our video stream was interrupted due to technical difficulties.
  • Nick is not going to play tonight due to a contusion.
  • Ice cream makes your body warmer due to its fat content.

Veja que a substituição de due to por caused by nos exemplos acima não funciona… Fazendo essa substituição, a gente ficaria com…

  • O streaming do vídeo foi interrompido ‘causado por’ problemas técnicos.
  • Nick não vai jogar hoje à noite ‘causado por’ uma contusão.
  • Sorvete esquenta o corpo ‘causado por’ seu conteúdo de gordura.

Repare também que o due to nesses 3 exemplos não está funcionando como adjetivo – due to não está modificando nenhum substantivo ou expressão substantiva. Nesses casos, o because of caberia direitinho:

  • Our video stream was interrupted because of technical difficulties.
  • Nick is not going to play tonight because of a contusion.
  • Ice cream makes your body warmer because of its fat content.

Como poderíamos reescrever essas três sentenças corretamente com due to, de acordo com a regra formal? Assim, por exemplo:

  • The interruption (of the video streaming) was due to technical difficulties.
  • Nick’s absence is due to a contusion.
  • The rise in temperature (by ice cream) is due to its fat content.

Como eu já disse, todos os exemplos citados aqui com due to foram retirados do Twitter de nativos, e todos eles ‘desrespeitavam’ a regra de due to.

Afinal, o que fazer? Tudo bem, então, usar due to em vez de because of no inglês, como todo mundo faz?

A realidade é clara: de fato, o uso de “due to” no lugar de “because of” é amplo…em discurso informal. Tenha cuidado ao redigir algo ou a se dirigir, mesmo verbalmente, a alguém em uma situação formal – falar corretamente SEMPRE fica melhor nessa hora! :-)

O modo com essa história “played out” parece ficção, mas é verdade… Confira!

Hey, everybody! What’s up?

Aqui é o Marcelo e venho hoje com um vídeo da ABC News: é uma reportagem sobre duas irmãs que foram adotadas por famílias diferentes e que se encontraram pela primeira vez no colégio, sem que nenhuma das duas soubesse que eram irmãs.

O vídeo é de apenas 2 minutos e contribui para treinar e aprimorar o nosso listening! Quer saber como elas descobriram que eram irmãs? Assista quantas vezes forem necessárias para saber.  Logo depois eu comento sobre as expressões que separei para vocês.

Separei quatro phrasal verbs do vídeo (se você ainda não sabe ou quer saber mais sobre phrasal verbs eu aconselho esse tópico que a Ana Luiza escreveu aqui.)

O primeiro phrasal verb é play out. Você pode ouvir essa expressão logo no comecinho do vídeo mesmo, onde ela diz ‘and finally tonight a story worthy of a novel playing out in a writing class here in New York city’.

O que significa o phrasal verb play out? Play out possui vários significados. Para o nosso exemplo de hoje – o que foi usado no vídeo – ele quer dizer ‘uma situação ou evento se desenrola, desenvolve, realiza ou acontece’.

Uma das coisas que gosto sempre de comentar é a importância de analisar e entender como as palavras ou expressões são usadas em inglês, ou seja, analisar sempre o contexto em que foram utilizadas na sentença e qual o sentido que elas carregam ou possuem no geral. Por exemplo: a palavra out pode ser sinônimo de outside, que em português é ‘fora’ ou ‘lá fora’. Podemos então facilmente deduzir que play out é jogar ou brincar lá fora, correto? Sim, correto!

Mas isso depende do contexto da sentença toda. Exemplo: The kids are playing out in the garden – As crianças estão lá fora brincando no jardim. Neste caso podemos facilmente deduzir que play out é brincar lá fora. Portanto, toda vez que vocês ouvirem ou lerem uma sentença e ao fazer a tradução ela parecer meio estranha, sem sentido algum, pode ter certeza que o significado é outro. No exemplo que foi usado no vídeo de hoje, claro, não faz sentido nenhum! Veja o exemplo abaixo.

There is no telling how the situation will play out – Não tem como saber como a situação irá se desenrolar/ desenvolver/ acontecer.

O segundo phrasal verb é turn out – ouça novamente aos 5 segundos do vídeo, onde ela fala ‘two college students sitting across from each other on the first day of class… Something seemed familiar. It turns out these two strangers have a lot in common’.

Mais um phrasal verb com a palavra out no final. Dentre os vários significados dele, o mais comum é justamente o que foi utilizado no vídeo. Turn out, neste caso, possui certa semelhança com o nosso primeiro phrasal verb de hoje, play out. O seu significado e uso mais comum é alguma coisa resultar, acontecer ou acabar de uma maneira especifica, ou, às vezes, como nós dizemos, “no final das contas”. A diferença aqui é que o resultado final ou a maneira como acontece nem sempre é o que se espera. Veja exemplo abaixo para entender melhor:

Believe it or not, it turned out that he married her. – Acredite se quiser, no final das contas/acabou que ele se casou com ela.

Entenderam? Tivemos um resultado de certa forma inesperado, pois acreditava-se que a pessoa não iria se casar com ela.

Vamos para o terceiro, que é look forward to. Você pode ouvir de novo em 1min18s, onde ela então diz ‘They’re both amazing, beautiful women. I’m looking forward to seeing both of them’.

Dos quatro phrasal verbs de hoje, esse é disparado um dos mais comuns na língua inglesa e acredito que muitos de vocês já devam estar acostumados com ele pela sua frequência. Porém, não vejo muitos brasileiros usando essa expressão – fica a dica!

Sabe aquele momento em que você está super empolgado ou ansioso, esperando algo que vai chegar ou acontecer? Aquele dia que você está torcendo pra chegar? Esse phrasal verb é justamente para descrever isso, algo que esperamos de forma ansiosa acontecer. Podemos traduzir como aguardar ansiosamente por algo, estar ansioso por algo ou ainda não ver a hora disso acontecer. Só uma observação quanto a utilização desse phrasal verb: ao utilizar algum outro verbo para descrever uma ação o verbo após forward to fica na forma ING.

Veja os dois exemplos abaixo para entender melhor:

I'm looking forward to the party

I’m looking forward to the party

I’m looking forward to the party. – Estou ansioso pra festa, ou não vejo a hora da festa chegar.

Veja que aqui não foi usado nenhum outro verbo após a preposição to, usamos apenar o substantivo party – festa. Agora vejamos como fica ao usarmos um verbo que indica uma ação.

I’m looking forward to meeting your relatives. – Estou ansioso/não vejo a hora de conhecer os seus parentes.

Como podemos observar no exemplo acima o verb meet, conhecer, fica meeting – terminando com ING.

Já o quarto e ultimo phrasal verb é make something up, que você pode ouvir novamente em 1min29s, onde a repórter comenta ‘and this story, your true story, could you make it up?’

Esse é um phrasal verb interessante e que possui outros significados mais comuns que o do vídeo, que é “inventar ou criar uma historia”, algo que você imaginou, pensou. Veja o exemplo abaixo:

I made all that up – Eu inventei tudo isso.

Segue outro exemplo com esse phrasal verb, para reforçar!

I’m sick and tired of Mike always making up lame excuses! Eu estou de saco cheio do Mike sempre inventar desculpas esfarradas.

Bom pessoal, por hoje é só! Bons estudos a todos e sucessos no seu aprendizado!

See you next time!

 

Key words│Expressions

• Play out ─ Como um evento ou situação se desenrola, desenvolve ou acontece.
• There is no telling ─ É impossível saber, não há como saber.
• Believe it or not ─ Acredite ou não, acredite se quiser.
• be looking forward to ─ Estar ansioso, não ver a hora de.
• make up ─ criar ou inventar uma historia.
• sick and tired of something – Estar cansado, enjoado ou de saco cheio de alguma coisa.

SOON x EARLY: qual usar?

Olá!

Essa dica é para todo mundo que viu que teve um podcast há algumas semanas sobre EARLY e SOON, mas que ainda não acompanha os episódios por não ter chegado nesse nível de compreensão de inglês ainda. Algumas pessoas pediram a dica complementar – aqui vai.

EARLY e SOON muito frequentemente são entendidos em português como “cedo.” O negócio é que tem uma diferença entre os tipos de “cedo” – ou pelo menos é assim que o idioma inglês enxerga a coisa. Antes que você ache que inglês é muito complicado, lembre-se que TO BE se desdobra em “ser” e “estar” no português… Pois é, os dois lados tem suas particularidades!

Esse é o plano, gente: entender os exemplos que eu vou dar, percebendo o contexto geral em que cada um é usado, e então você começa a reparar, toda vez que ouvir ou ler EARLY e SOON, no significado que elas tem (eu assumo que você está ouvindo e lendo inglês apropriado a seu nível. Se não está, pare tudo e comece agora!) A diferença entre EARLY e SOON pode parecer um pouco sutil quando se lê uma explicação assim. A melhor maneira MESMO de gravar, absorver e automatizar isso e muito mais é seguir o link que eu acabei de indicar e botar em prática o que ele diz.

Pra começar, imagine os períodos de tempo mais comuns para nós: uma manhã, um ano, um semestre. Mas também pode ser o período da vida de uma pessoa, ou de uma empresa. O tempo que dura uma reunião de trabalho, um festival de alguns dias ou uma festa. Todos esses são exemplos de “coisas” que duram um período.

No meio da festa, alguém passou mal

No meio da festa, alguém passou mal

E, para todos esses períodos, podemos dizer que alguma coisa aconteceu cedo nesse período. Outra coisa aconteceu lá para o meio desse período, e mais coisas aconteceram perto do fim do período. Exemplos: João teve que começar a trabalhar muito cedo (na sua vida), ainda criança. Lá pro meio da festa, alguém passou mal. Os últimos anos da minha empresa foram os mais lucrativos.

Esse cedo aí é o EARLY. Repare no sentido dele:

I wake up really early in the morning every day.

Joe started winning all the games early in the season (= no começo da temporada)

– Is Joe going to win the tournament?
– It’s too early in the tournament to tell, but it sure looks promising (está muito no começo, muito cedo no campeonato ainda pra saber)

I lost my ring early in the night and it ruined the party for me! (perdi meu anel no começo da noite, acabou com a festa)

It’s too early in the relationship to say “I love you”- slow down! (muito cedo no relacionamento – o relacionamento começou outro dia)

Veja como em cada exemplo acima, o EARLY se refere aos momentos iniciais de um período de tempo qualquer:  manhã, temporada, campeonato, noite, relacionamento. Se a gente dividisse qualquer um desses períodos em intervalos, o EARLY seria aqui:

Screen Shot 2015-05-14 at 16.07.08

Você vai conseguir identificar esse significado na maioria das vezes em que ouvir ou ler alguma coisa com early no meio – então “mãos à obra”! Let’s get cracking.

Agora, soon: o jeito mais fácil de entender SOON é quando essa palavra é usada com o sentido de nosso “logo”. Veja:

He and I met in school and we soon became close friends [Eu e ele nos conhecemos na escola, e logo nos tornamos amigos próximos, foi rápido]

– When are we going to meet your girlfriend?
– Soon [logo, não vai demorar muito]

If we don’t find a new assistant soon, our company will suffer the consequences [Se a gente não achar um novo assistente logo, rápido, a empresa vai sofrer as consequências]

SOON tem mesmo esse sentido de rápido, em breve, ou logo, logo. Mas a gente nem sempre traduz assim no português. Repare no sentido de alguma coisa que aconteceu ou vai acontecer, ou que alguém quer que aconteça ‘muito rápido’, ou ‘rápido demais’:

– Is Joe going to be the our new champion?
– It’s too soon to know [não dá pra saber, é muito cedo pra saber, leva um tempo, e você está querendo saber muito rápido essa resposta]

He said “I love you”, but I feel it’s too soon! [Ele falou “I love you” rápido demais, não demorou nada pra ele dizer “I love you”]

Procure seus próprios exemplos no Google, no Twitter etc. com EARLY e SOON. Dica: comece com frases simples. Pense no que essas palavras significam em cada exemplo. E veja que, dependendo da maneira como eu digo alguma coisa, uso um ou o outro. Por exemplo: it’s too soon to say I love you (a pessoa está falando I love you rápido demais, cedo demais… Aqui, eu não estou me referindo a um período determinado). E it’s too early in the relationship to say I love you. Aqui eu estou falando de um estágio inicial de alguma coisa: the relationship. É cedo demais no relacionamento pra dizer I love you.

Você tem 10 minutos pra entender como se usa AT ALL em inglês?

Que bom. Nesses dez minutos eu vou te mostrar, com exemplos, o que significa e exatamente como usar essa expressãozinha do inglês que nem sempre tem uma tradução exata na língua portuguesa.

Como você vai ouvir ou ler AT ALL toda hora em filmes, séries, livros, etc. eu incluí aqui as duas principais maneiras de usá-la. Na verdade, acho que se  eu perguntasse a um americano ele me diria que é a mesma expressão e o significado é só um, qualquer que seja o uso. Mas para nós, falantes de português, fica mais fácil dividir em dois. Por que? Porque cada um será traduzido de um jeito.

Veja só:

Jeito 1: você tem algum interesse que seja nesse assunto? Qualquer interessezinho… Ou nada?

inglês: at allEsse jeito de usar AT ALL aparece em perguntas. Veja só: imagine que você entrou numa agência de viagem e começou a perguntar sobre os pacotes de viagem de submarino. O agente começa a te explicar, todo animado… Mas você é do tipo indeciso. Imagina, tomar uma decisão dessas ali na hora… O agente, que quer logo fechar a venda, fica tentando arrancar uma decisão sua, mas daí você vê uma propaganda de viagem ao Chile e começa a perguntar sobre o Chile.

O agente, que ainda tem esperança de fechar a viagem de submarino com você, está com uma pilha de material pra te mostrar. Só que o colega dele diz que está precisando do material, pois chegou outra pessoa que quer viajar de submarino. O seu agente ainda acredita que consegue fechar com você, e segura o material por mais dez minutos.

Só que a pressão aumenta. Agora são dois colegas dele que estão pedindo pra usar os materiais. Você, a essa altura, está olhando a brochura de Águas de Lindoia e até esqueceu do submarino. Nesse momento, seu agente pergunta:

Ma’am (Senhora/Senhorita), are you AT ALL interested in going on a submarine cruise?

O que ele está querendo saber é se você tem algum interesse, qualquer que seja, ainda, na tal viagem de submarino. Nesse momento, ele está em dúvida: não está parecendo que você tem, mas quem sabe ainda reste algum interesse. Antes de ele abrir mão do precioso material do submarino e passá-lo aos seus colegas agentes, ele quer se certificar, e por isso pergunta Are you AT ALL interested in going on a submarine cruise? Tem algum interesse aí? Ao que você responde I may be interested but I’ll think about it over the weekend and come back next week. Em outras palavras, sim, você está interessada mas vai pensar. Pode liberar o material…

Quando alguém pergunta a você Are you at all interested in (something)?, é algo parecido com quem te pergunta em português “Você se interessa por (tal coisa)?” com aquele tom de quem duvida que você se interesse, com o nariz meio franzido – sabe como é? Essa é uma maneira muito, muito comum de usar AT ALL. Imagine agora uma pessoa que você conhece falando nesse tom e franzindo o nariz do jeito que eu descrevi, te perguntando isso:

  • Are you interested at all in theatre? (ela nunca soube que você gostasse de teatro e estranhou quando você disse que estava indo)
  • Are you at all interested in this? (ela trouxe uma revista pra te mostrar, mas teve a sensação de que você não se interessou e quer confirmar)
  • Are you interested in Jim at all? (o Jim gosta de você mas você não está nem aí… A pessoa quer confirmar se existe algum interessezinho que ela não saiba)
  • Are you at all interested in that book? (a mãe da sua amiga quer porque quer te emprestar um livro que a sua amiga acha que não é bem a sua praia)

Tem um mínimo de interesse da sua parte? Tem algum interessezinho aí, por mais minúsculo que seja? Tem qualquer coisa sobre esse tema que desperte um vago interesse em você? Are you AT ALL interested…?

Uma vez eu perguntei em um fórum online onde encontrar uma determinada informação. Uma das pessoas me respondeu assim: Are there any public libraries AT ALL in your neighborhoodYou can find more about this by visiting any public library.

Tem alguma biblioteca pública na área em que você mora? Umazinha, qualquer uma – pode ser uma bem simples, de bairro, ou uma maior, estadual, não importa – qualquer uma serve. Are there any public libraries at all where you live?

Outro exemplo muito comum: Do you know anything at all about this? Você sabe alguma coisa sobre isso? Qualquer coisa? Você já ouviu falar disso, tem alguma informaçãozinha? Do you know anything at all about this?

 

Jeito 2: Eu não fiz absolutamente nada, eu não tenho absolutamente nenhum interesse nisso

Esse é o AT ALL que é usado com verbos na negativa – e é bem fácil traduzir a ideia dele para o nosso português.

Veja:

I didn’t find anything at all at the market. Não encontrei absolutamente nada no mercado. (nada, nadinha)

I don’t like her at all. Eu não gosto nem um pouco dela. (é quase como “eu a detesto”. Não tem absolutamente nada que eu goste nela)

I’m not interested at all in a submarine cruise. Eu tenho zero interesse em uma viagem de submarino.

I haven’t seen anything at all I would want to buy. Não vi absolutamente nada, zero, que eu quisesse comprar.

 

Veja que se a gente retirar o AT ALL dos exemplos acima…

I didn’t find anything at the market / I don’t like her / I’m not interested in a submarine cruise / I haven’t seen anything I would like to buy

… todos eles ficam bem menos enfáticos. Tem uma boa diferença entre “I don’t like her” e “I don’t like her at all.”

Por exemplo, se você disser a alguém “I didn’t find anything at the market” (sem o AT ALL), a pessoa pode te perguntar “At all? You didn’t find anything at all…?” Você não encontrou nada, nadinha mesmo? Nem uma coisinha?

 

Tem algum exemplo? Comece com o mais fácil – algo que você absolutamente não conhece, não gosta, etc. Aguardo!

Aviso: nunca ofereça chá para um inglês sem ler essa dica!

Chá e os inglesesHello.

Hoje eu vou contar pra você a experiência “interessante” com… chá que eu tive aqui na Inglaterra. Faz umas três semanas. Sem mais delongas, aqui vai o ocorrido:

  • Recebi um amigo inglês em casa no domingo. Perguntei se ele queria um chá.
  • Ele, é lógico (sendo inglês), disse que sim.
  • Fui pra cozinha, fiz duas xícaras de chá, voltei e dei uma pra ele.
  • Ele bebeu um gole (he took one sip), olhou pra mim e disse “This is the worst tea I have ever had.”

Para quem não entendeu, ele disse “Esse é o pior chá que eu já bebi na minha vida.”

A minha reação, claro, foi cair na gargalhada. E eu ainda concordei, “I know, this is bad. Sorry!” Acho que eu estava um pouquinho de ressaca da noite anterior (o que, segundo meu amigo, não é desculpa), mas até EU sabia que o chá não estava bom.

Percebendo a gravidade da situação, ele, mais que depressa, sacou seu celular e disse que ia me educar prontamente sobre a questão do chá.

Leitor do Inglês Online: saiba que chá é um assunto seríssimo na Inglaterra. Essa “moda” começou aqui no século 17, e desde então chá tornou-se a bebida nacional, com direito a debates acalorados sobre qual a melhor maneira de prepará-lo, produtos específicos para o tipo de água que você vai usar e por aí vai.

Chá Yorkshire e os ingleses

A marca Yorkshire Tea oferece um produto para ser usado com água normal e outro para ser usado com “hard water”, que é comum em Londres e tem maior teor de minerais

Bom. O que meu amigo fez foi me educar da maneira tradicional, ou seja, me mostrar um vídeo de um cantor de rap ensinando como fazer chá :-)

Por favor, assista o vídeo! Lembre-se que por trás de tudo isso tem muito humor – mesmo quando o assunto é sério, como ‘chá’. O artista, Doc Brown, nasceu e cresceu em Londres e é filho de mãe jamaicana e pai inglês. Quando o vídeo terminou, meu amigo confirmou que a receita do Doc Brown está correta. O interessante também é ver os comentários abaixo do vídeo no YouTube, onde tem gente que discorda do artista…

Veja a letra do vídeo, e, abaixo dela, eu continuo com meu comentário!

 

 

 

 

AVISO: o rap contém profanity (= palavrão, palavras de baixo calão)

link para o vídeo no YouTube

O Doc Brown começa explicando que raiva é algo necessário pra fazer rap, mas que os motivos dos amigos dele são diferentes dos dele:

Rage, rage is key to rap. You got to understand that, right? Rage is vital, you have that fire in your belly.  I think of all my mates who rap…

You can give them a topic like police, race, politics… Anything will get them fired up and inspire the lyrics. I mean, me… I couldn’t get angry and start rapping about politics. I’m too much of a fence-sitter (ele é em cima do muro). Too wishy-washy (=indeciso). I’m apathetic. Me, I’d be “Fuck Nick Clegg, he’s a wannabe… However I do agree with some of his policy…”

But it does make me wonder, is there anything… Is there any one topic that could get me fired up enough to come back and take the rap game by storm? You know, and then I realised there’s one thing, there’s only one thing that could make me near homicidal. This is called “My Proper Tea. Alright?”

(começa a cantar)

I don’t know what the fuck I was thinking
I bring you to my house as a friend in my kitchen
You offer to make the tea, naturally I say yes, you’re my guest
So I take the offer gratefully
But then what I see made my heart burst
You’ve only gone and put the fucking milk in first!  (<— esse foi meu primeiro erro: coloquei o leite antes da água. Meu amigo adivinhou só de provar o chá)
No! You must be out of your mind,
Looks like you went and poured about half a pint,
Now even with the boiling water my tea is already lukewarm, (<— sim, o chá ficou morno… Horror!)
Man where the fuck were you born,
Nah, you destroyed the thing that was sacred,
Pour it down the sink let me show you how to make it.
Tea bag in first, pour the water on top,
Shut up man, I’ll tell you when to stop,
Then you know exactly how much milk is required,
Making assumptions on how I like it…!
Whoa whoa whoa what you doing? Don’t let the tea bag sit there brewing,
You gotta stir straight away don’t stop,
Otherwise you get that weird scum on the top. (<— ficou mesmo com a espuminha em cima…)
And now you put my sugar in. What’d you leave it for?
Didn’t even stir it in, you’re unbelievable!
What did you think it would disintegrate itself?
Bruv you need to go and see a shrink and get some help,
You chose the wrong brother’s cuppa to mess with,
Now go and get me a mother fucking digestive (digestive é um tipo de biscoito),
Stay the hell away from my cup, bitch,
Don’t even meddle with my kettle. Don’t touch it!
Man go sit down go watch telly,
And give me back my teaspoon bruv, you’re not ready.

I’ve been Doc Brown, thank you very much.

(apresentador) Give it up (=aplaudam) for Doc Brown!

 

E aí? Tá convencido de que chá é assunto sério por aqui?

Falando com outras pessoas descobri que existe também o debate de se é para deixar a tea bag dentro da xícara (o chá fica mais forte) ou não. A maioria das pessoas acha que não – você deve deixar o chá ficar em infusão (you must brew your tea) por cerca de 2 minutos apenas — eu ainda por cima deixei as tea bags dentro das xícaras!! #TEAFAIL

Espero que você aprenda com o meu erro.

:-)

Facebook
Inglesonline on Facebook
Twitter Tweets by @inglesonline
iTunes
RSS

Receba as dicas do Inglês Online em seu email…

…e ganhe o PDF 24 Dicas e Atividades do Inglês Online!

Sponsored by: Adultwork