Podcast: Fulano puxou meu tapete

By Ana Luiza | Podcast Inglês Online

Jan 25
Inglês - Podcast Fulano puxou meu tapete

What’s up?

Nesse episódio do podcast Inglês Online vamos falar sobre três expressões do inglês muito comuns para descrever ambientes de trabalho (ou ambientes em geral) super competitivos, onde você deve estar sempre alerta se não quiser ser passado pra trás.

Transcrição

Hello, everyone. How’s it going? Today we have a new episode of the inglesonline podcast. To download or just listen to other episodes and download transcripts, go to inglesonline.com.br and click Podcast Inglesonline.

So I got my inspiration for today’s episode when I read a short paragraph on a public forum that was written by someone who worked for a well-known technology company.  I’ve selected three terms from that paragraph, and they are all very common and kind of interesting. You’ll be able to listen to the paragraph that inspired me at the end of this podcast.

So here’s the first term: dog-eat-dog. Nope, we don’t say “dog eats dog”. People say ‘dog-eat-dog’. I’m going to exemplify how this expression works as an adjective, and therefore, for our purposes the expression will be hyphenated. It’s like when you say “a ten-year-old boy”, you know? “Ten-year-old” is hyphenated, and it works as an adjective. We have written about this topic before here at Inglês Online, so make sure to check it out.

But what kind of adjective is ‘dog-eat-dog’? What does that expression mean? Let me give you an example of how someone might use it: one day you arrive at the office and you say ‘Good morning’ to John. He replies: “Are you kidding me? It’s not a good morning. This is a dog-eat-dog world”. You’re kinda taken aback by John’s reply, so you ask him what happened. He tells you that he has just been laid off. His boss told him that the intern he has been training for a couple of months is going to fill his position. He’s feeling betrayed. So he says “It’s a dog-eat-dog world. I’ve trained this intern and he stole my project and sabotaged my work. Now the boss thinks he’s a genius and I’m incompetent!”

So your colleague feels that the intern acted very dishonestly in order to steal his job. This situation illustrates what a dog-eat-dog environment would be: that’s when people are really competitive and will do anything to be successful even if what they’re doing is harming others. Some industries are said to have dog-eat-dog environments, like investment banking. What do you think? throatIf you have a job, what kind of industry are you in? Would you describe your work environment as dog-eat-dog, or as relaxed and pleasant?

A dog-eat-dog situation doesn’t mean necessarily that people will be dishonest to get what they want, although I would say that… that can happen very often. Another term for such an environment is cutthroat. Cut, throat. Can you imagine what a cutthroat environment is like? That’s a very competitive place, where you’d better work hard and be smart and always alert, or else you’ll be stabbed in the back.

Stabbed in the back – that is actually our third expression of today, but let me get back to cutthroat. If someone describes their workplace as cutthroat, you can pretty much assume that this is not a place where people will be super nice and understanding all the time. It’s a place where people are very competitive and will do whatever it takes to get ahead. It’s the kind of environment where people never let their guard down because if they do, they may very well lose their job.

So dog-eat-dog and cutthroat are two terms that often go hand-in-hand. One thing that seems to be common in dog-eat-dog, cutthroat businesses is people stabbing other people in the back. Not literally, of course… But, let’s say you’re literally stabbed in the back. You can’t see the aggressor, right? You are caught by surprise and you don’t have enough time to defend yourself. So figuratively speaking, you can imagine what that means in a business environment.

You will usually use that term when someone you trusted does something to harm you, whatever that may be, and you feel betrayed. It’s a really strong expression.. this is not for the silly stuff. Someone you consider a friend, for example, might steal your ideas and leave you with nothing, and then you say “Michael stabbed me in the back”. Someone else who you trusted with a secret goes to your boss and tells the boss everything you had told her in confidence. You get fired, and you could say “She stabbed me in the back”.

Alright, so here’s the paragraph that inspired today’s episode, with all three terms in it:

I used to work at this company but I left 4 years ago. Part of the reason I left was that the environment inside the company is dog-eat-dog. For each person who gets a “good” performance review, an equal number of people must receive a “bad” performance review. This leads to cutthroat internal competition, a lack of empathy or friendship in the office, and generally an unfriendly environment. The benefits are great, the pay is great, but the people you work with are definitely out to stab you in the back.

OK, give us your example in the comments. Have you ever worked for a cutthroat, dog-eat-dog business?  Talk to you next time!

 

Key expressions

  • dog-eat-dog
  • cutthroat
  • stab someone in the back (= puxar o tapete de alguém)

 

Glossary

taken aback = surpreso, confuso

understanding (adjetivo)  = compreensivas

whatever it takes = o que for preciso

to get ahead = pra ir pra frente

never let their guard down = nunca baixam a guarda

go hand-in-hand = aparecem juntas

 

[audio:http://media.blubrry.com/podcast_ingls_online/www.inglesonline.com.br/mp3/podcast-dogeatdog.mp3]
Follow

About the Author

Ana Luiza criou um blog de dicas de inglês em 2006, e depois de muito pesquisar o que faz alguém ganhar fluência numa segunda língua, criou seu primeiro curso de inglês em 2009.

  • Fernandes says:

    I have loved this podcast.
    Thanks

  • Rafael says:

    Hi everybody. This is my first time here, so please correct me if I make mistakes.
    I’m not working in a dog-eat-dog company. I’m military and we don’t have competitions for positions and salary.This is already defined in the beginning of the career…
    Sometime we have a kinda of cutthroat when appear a work trip or a special course.
    Thanks, and please feel free to criticize

  • WALLACE RODRIGO says:

    Também concordo em você se manter falando nesta velocidade. Quanto mais natural e mais perto do nativo, melhor. Afinal, eles falam rápido, pois não se preocupam em ser entendidos, mas passar a informação o qual é o contrário de nós que focamos no entendimento, não é? Eu, hoje, tenho muita dificuldade de entender 100% os filmes por vocabulário e até pelo modo como eles falam, mas com seus podcasts isto vem diminuindo. Já consigo entender muitas frases. Assisto ao 24h há um tempo focando no listening e sinto melhoras.

    Obrigado pelos seus podcasts e continue nos ajudando.

  • gil says:

    Hi Ana
    In my opinion you have to talk as naturally as possible.
    Thank you for spending your time with those pod cast.

  • Francisco Vichi says:

    Ana I listen your podcast everyday ! I work far from my house and then I listen when I drive to my job !

    I think that you have to speech the more natural as possible, no very slow e no faster.

    Congratulations for yours podcasts I liked very much !

  • jorge says:

    Ana, onde encontro podcasts básicos?

    • Ana Luiza says:

      No curso básico, Jorge :)

      Ou na dica 5 da série “Como Falar Inglês” – lá tem umas sugestões.

  • Ana Luiza says:

    Thank you all for your examples and opinions on the speed of my speech!

  • Al says:

    Ana, sobre a expressão “dog-eat-dog”, uma expressão equivalente usada pelos brasileiros é “cobra comendo cobra” para descrever ambientes como o descrito em seu podcast.

  • Nivaldo Leôncio says:

    Olá Ana! Eu acompanho o seu – nosso também – ‘inglesonline’ há mais de um ano e noto que tenho progredido bastante. Eu percebi sim que que você tem falado mais rápido ultimamente, mas é legal que seja assim. Afinal a gente precisa avançar sempre, right? On the other hand, se alguém tiver com dificuldade em acompanhar e você precisar voltar a falar mais lentamente não tem problema nenhum. Sou muito grato a você e seu curso. Na minha opinião, que não digo modesta pra não ser redundante, é o melhor curso de inglês na nossa web. Sya!

  • Bernadete Lemes says:

    Ola, tenho 45anos a dois anos estou estudando inglês quando era jovem não tive oportunidade de estudar hoje com filhos criados voltei ao tempo esse ano termino o Colegial e como profissão escolhi ser professora de inglês no futuro.
    Porque gosto muito de idiomas eles me atrair não sei porque, escolhi o inglês porque para mim é o mais fácil de ter acesso aos cursos e também porque já trabalho como secretaria em uma escola de inglês particular .A minha unica preocupação é como eu poderei falar bem o inglês e ser intendida por uma americano e vice verça.Pretendo ser professora de escola particular igual onde trabalho.Gostaria da sua opinião Ana.
    Obrigada desde já…

  • Matheus Ruiz says:

    Actually i’m working right now in a company dog-eat-dog, is a little awkward when your best friend stab you in the back, but no problem, I am strong and everything is gonna be alright!

    Os seus podcasts são sensacionais estou curtindo muito as dicas, realmente esse foi um pouco rapido, mas foi bom

    Obrigado

  • francisco says:

    falar + rapido…meu prof. faltou, veio uma ‘americana’ substituir…7 nivel… ‘TODO MUNDO DESCOBRIU Q.Ñ FALAVA E Ñ ENTENDIA …

  • viviane says:

    Ana, na minha opinião é hiper importante que você fale naturalmente, como tem feito ultimamente, pois acho que a gente vai se acostumando à maneira que os nativos (de qualquer lingua) falam; se tiver que alterar a velocidade, que seja até pra mais rapido; afinal quem ouve seus podcasts(excelentes, por sinal) tem um certo nivel de compreensão não é mesmo?You are top-notch!!!(is that correct?)

  • Vasconcelos says:

    Sou suspeito pra opinar… Rápido ou devagar acho a Ana Luiza sensacional! Abs

  • Juliano José Lourenço says:

    Oi Ana luíza, vc ta falando mais rápido ou seu inglês ta mais natural?. Nossa que pronúncia legal, perguntei pra uma americana e ela disse que vc ta perto do nativo!!!,continue assim pois como disse o amigo acima, a facilidade hoje amanhã vai se tornar dificuldade!!!

    • Ana Luiza says:

      Hi Juliano
      Obrigada- acho que é um pouco dos 2! Na hora que fui gravar esse podcast estava com um pouco de pressa, e saí falando um pouco mais rápido. Mas também pode ser efeito de já fazer muito tempo que eu faço bastante listening e leitura em inglês, e realmente a gente vai ficando cada vez mais à vontade!

  • Fernando Ramos de Oliveira says:

    Olá Ana, você está perfeita falando dessa forma. Parabéns!
    Fiz dois anos e meio de Inglês e agora tenho de parar devido à faculdade. Mas pretendo continuar futuramente. Se bem que vou continuar com o Inglês sim, por aqui, pois seus podcasts são incríveis, além do site. Parabéns mais uma vez e muito obrigado por tudo.
    XOXO

  • adilson --pavuna rj says:

    I have never worked in a place like this.

  • Raymundo says:

    Fiz um comentário um pouco longo, explicando minha oplinião sobre se você deve falar mais devagar. Parece que foi
    longo demais porque não consegui enviar. Resumindo, se você facilitar hoje, talvez possamos ter dificuldade no futuro. A matéria que eu fiz é tão bonita, que eu ainda gostaria de enviá-la.

    Raymundo

    • Ana Luiza says:

      Oi Raymundo. Acho que o sistema te barrou porque vc tentou publicar mais de 1 comentário em um espaço curto de tempo – mas agora tá tudo certo. Envie o link para a matéria, se puder. Obrigada!

      • Raymundo says:

        Ana,
        A matéria que eu queria mandar é a que se lê acima ( Eu tenho uma filha… ). Dessa forma, está tudo
        resolvido. Peço sua avaliação do que foi dito, se possível.

  • Ana Luiza says:

    Pessoal, eu tenho falado um pouquinho mais rápido nos últimos podcasts. Quem reparou, e quem prefere q eu volte a falar mais de maneira um pouco mais pausada?

    • Raymundo says:

      Eu tenho uma filha que se formou em inglês e algum tempo depois foi para os Estados Unidos. Lá chegando,
      ela se sentiu como se nunca tivesse estudado inglês, tal a dificuldade que encontrou. Não tinha quem facilitasse para ela, falando mais devagar. O jeito foi aprender ou aprender. E ela aprendeu. Tanto que hoje ela é intérprete de inglês para alunos de língua espanhola, porque a professora não fala espanhol. E essa é apenas uma das vitórias que ela alcançou por lá. Depois eu conto mais. Na minha opinião, você não deve falar mais devagar, porque a facilidade hoje poderá se tornar dificuldade no futuro. Eu tenho um exemplo em casa.

      Raymundo

    • Raymundo says:

      Ana,
      Você não deve falar mais devagar porque poderá ficar mais difícil no futuro.
      Fiz uma matéria bem bonita a respeito mas ficou longa e não consegui enviar. Ainda pre-
      tendo fazê-lo, se possível.

      Raymundo

    • Diogo Martins says:

      Oh yeah!? I didn’t realize that! haha maybe it’s a good sign!
      Then, I think it’s a good way to force our minds to think faster. Keep that speed, please! haha

  • George Louis says:

    Yeeah , I have ever worked for a cutthroat and dog-eat-dog business. I think it happens everywhere, there is always someone trying to stab you in the back.

    • Ana Luiza says:

      Hi George! Thanks for the comment. Perhaps you’re right – everyone has probably experienced a cutthroat situation to some degree.

  • >

    Ebooks com áudio 40% off 

    até 25/8